Vale tudo, mesmo tirar olhos
27
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 13:59Ligação da mensagem | Bombardear

 



Actualizando a última mensagem, o que seria de Portugal sem 5 direcções regionais de desporto e juventude? E o que seria de juventude portuguesa sem estes programas dirigidos aos jovens?

E o que seria dos trabalhadores sem uma fundação que lhes ocupasse os tempos livres, que na outra reencarnação foi conhecida por FNAT. Lembram-se?

Um programa estratégico mais um conselho nacional associado?

E este plano? E mais este conselho nacional? E o plano nacional de cinema, para ser aplicado nas escolas portuguesas?

E o conselho estratégico de internacionalização da economia? Antes de ser criado foi necessário um grupo de trabalho que deu a ideia da criação. Deve ter uma acção tão importante e fundamental que está escrito nesta resolução que se deve reunir 4 vezes por ano.

Estes são alguns exemplos do que seria o futuro de Portugal sem estas estruturas - seria qualquer coisa como um caos caótico completamente desorganizado. É isso, não é?

Ficaríamos à rasca, porque ser membro de uma entidade deste tipo dá credibilidade a essa pessoa. Pior do que isso, ficariam sem tempo de antena para debitar umas ideias sobre o assunto.

Mesmo que extingam ou fundam vários organismos públicos de forma a diminur o monstro, o número de funcionários públicos manter-se-ia. Apenas despedindo pelo menos 100 mil a coisa melhorava. E o problema maior está na imagem que acompanha esta mensagem - 75% dos gastos nas 3 áreas que fazem parte do que se designa de estado social.

Expliquem-me uma coisa - porque é o estado que estipula as margens de lucro das farmácias e dos grossistas no preço dos medicamentos? Não é uma actividade privada? Supostamente livre?

Imagem daqui.
Etiquetas:

25
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 14:58Ligação da mensagem | Bombardear






Volta não volta, regressa o tema do tamanho do estado que temos e do número de organismos públicos existentes.
O início dá-se nas leis que são usadas para criar ou extinguir os organismos dos ministérios - existem duas, as leis n.ºs 3/2004 e 4/2004. Depois houve uma ligeira alteração através do decreto-lei n.º 105/2007. Somos um país muito organizado, não somos? Está tudo previsto, incluindo os nomes das entidades.

A imagem que acompanha esta mensagem é do Instituto Nacional de Recursos Biológicos. Como se percebe a fusão e extinção de entidades aconteceu. Mantiveram as designações dos 3 institutos anteriormente existentes e inventaram uma quarta denominação. A estutura é bastante simples, sem serviços internos sobrepostos, como se vê no organograma.

Outro exemplo está nesta ligação. Ao olharem com atenção (garanto-vos uma experiência nunca mais esquecida), perceberão muito do que se passa no estado e na dimensão mastodôntica do mesmo. Associado àquilo existe o conselho nacional do desporto e o observatório nacional da actividade física e do desporto. Nas laterais existe esta área, com muito a descobrir sobre a juventude portuguesa.

Isto são dois exemplos, qual deles o mais fascinante.
Etiquetas:

19
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 14:32Ligação da mensagem | Bombardear
A brigada do reumático começou a atacar - já deve ir no episódio 11385. De cada vez que o governo é de "direita", "liberal" ou "neoliberal" aparecem vários indivíduos a dizer sempre o mesmo.

O Márinho defende que o presidente deve nomear um governo sem eleições.

O Tó Cachucho defende um governo de salvação nacional, de nomeação presidencial. Na entrevista, referiu que o actual governo deve tentar obter a abstenção do Pêésse para o orçamento de estado e manter o apoio da Úgêtê. Referiu que se isto não acontecer o governo não tem legitimidade para governar.

O Chico Assis defende um governo de iniciativa presidencial, seguindo o modelo à italiana, que se pode traduzir para português por tudo ao molho. Sem esquecer que a solução necessitaria do apoio parlamentar do Pêésse e sem esse suporte nada feito.

Eu pensava que as eleições davam a legitimidade política necessária para os partidos formarem governos e governarem. Mas segundo estas cabecinhas pensadoras não é isso que deve acontecer em Portugal. A legitimidade política varia consoante o partido que ganha as eleições e quando são os partidos ditos de "direita", a legitimidade muda. Também se altera consoante os humores de vários destes personagens.
Etiquetas:

17
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 13:22Ligação da mensagem | Bombardear

No rescaldo da manifestação de Sábado, vou esperar que os manifestantes sejam consequentes e votem no Chico de Esquerda e no Pêcêpê nas próximas eleições. Os manifestantes pediram um governo alternativo, supostamente para aplicar medidas alternativas às actuais. Que medidas, perguntam vós? Os manifestantes não sabem.

Um estado que gasta metade da riqueza criada num ano, deve ser um pasto fértil para encontrar medidas alternativas ao aumento de impostos. A maioria desses gastos estatais estão nas áreas da saúde, educação e segurança social, só por acaso o que normalmente se designa de estado social. Já perceberam?

Também podem seguir o exemplo do Inseguro Tozé, cuja única medida "alternativa" à política deste governo foi criar ... um imposto sobre as parcerias público-privadas. Fantástico.

Se querem manter o estado como está, não se podem queixar das constantes subidas de impostos e da quantidade de impostos, taxas, contribuições e equiparados existentes.
Etiquetas:

11
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 15:15Ligação da mensagem | Bombardear
O pessoal anda chateado com o governo - aumenta impostos e não anuncia cortes. Podiam cortar nas despesas do estado. Poder, podiam, mas não era a mesma coisa.

Nesta ligação estão valores muito interessantes de despesas do estado.

Nesta ligação estão as tais rendas excessivas no sector da energia (a pasta paga pelo estado encontra-se num quadro da página 29 do documento). Também são valores jeitosos.

Nesta notícia está o outro lado da coisa, que foi bem comentada nesta mensagem. Com exemplos destes não nos podemos queixar de como isto está.
Etiquetas:

08
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 17:43Ligação da mensagem | Bombardear


Ouvi dizer que iam fazer reformas estruturais, cortar nas despesas e diminuir o peso do estado na economia. Parece quererem isso, daí terem aumentado os impostos (apesar de o Cêdêésse dizer que não vê nenhuma subida - deve precisar de uma visita ao oftalmologista).

Os cortes na despesa e a diminuição do peso do estado na economia continuam em bom ritmo. Deixo aqui uma ideia para a Sãozinha das Couves - podia criar uma lei a proibir a chuva e o frio no Inverno. É um empecilho para o turismo, não é?

Outra ideia é para o Pedrinho Lambreta Soares - podia extinguir o rendimento mínimo. Mas depois não seria possível dizer que ajudam os pobres.
Etiquetas:

06
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 14:28Ligação da mensagem | Bombardear
A lebre já saiu da lura e começou a correr. Resta esperar pelo anúncio do governo.
Etiquetas:

05
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 13:21Ligação da mensagem | Bombardear
Gosto da ideia de concorrência e de liberalização subjacente a esta proposta - em vez de oligopólio, o duopólio (no mercado da publicidade). No futuro, vão apresentar a proposta de fusão das duas estações e acabamos novamente em monopólio na publicidade televisiva.

04
Set 12
Pirateada por João Rodrigues, às 13:38Ligação da mensagem | Bombardear
Parece que estão a ser bem geridas. Se fossem privadas já tinham falido há muito. Como são públicas, nós pagamos a conta. E a conta vai em 30 mil milhões de euros de dívidas.
Etiquetas:

Quem é o cromo?
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
18
20
21
22

23
24
26
28
29

30


A marear desde
3 de Julho de 2008
Sucata
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Pesquisar
 
RSS
blogs SAPO