Vale tudo, mesmo tirar olhos
28
Fev 09
Pirateada por João Rodrigues, às 21:45Ligação da mensagem | Bombardear
Na RTP, no jornal da tarde, na reportagem sobre o jogo do Benfica de ontem, o jornalista disse que ao intervalo o marcador não funcionou - pois não; ao intervalo o jogo estava empatado a zero. A mostrar a isenção do jornalismo futeboleiro da RTP e dos editores do desporto, que deixam passar tudo - deixaram passar porque era o jogo do Benfica.No telejornal de hoje, João Adelino Faria disse: já a seguir a este telejornal é o festival RTP da canção; "esqueceu-se" do programa do provedor. Num outro telejornal, tinha dito «já a seguir, mas primeiro vamos para intervalo» - uma frase que faz todo o sentido.

Pirateada por João Rodrigues, às 21:34Ligação da mensagem | Bombardear
Quem fala assim deve ser um "produto" das novas oportunidades. Passou na televisão, numa reportagem sobre o congresso do PS.Quanto ao resto, gostei do verde-alface do ecrã de fundo, atrás do nosso querido líder. Aquele verdoca a mim feriu-me os olhos, mas deve ser problema meu, que sou vesgo e faço parte de uma pequena minoria (é só para seguir o português actual, no que concerne às redundâncias).O título desta posta é uma boa metáfora do discurso do comandante-em-chefe, em que referiu tudo o que o governo dele "fez" para diminuir as desigualdades dos cidadões.

27
Fev 09
Pirateada por João Rodrigues, às 14:17Ligação da mensagem | Bombardear
(...)«Acusa a classe política pela situação. Acha que a nossa classe política não está à altura?Acho que a nossa classe política é mais do que lamentável. Os nossos políticos não têm ideias e não debatem. Assiste-se a qualquer sessão do Parlamento e verifica-se que há afirmações mas nunca as demonstram. Diz-se que o TGV é fundamental mas ninguém o justifica. Quando há uma crítica ninguém responde, porque há incapacidade de argumentar nos nossos políticos. Em todos!À excepção do primeiro-ministro!É a pessoa que mais me confrange porque ainda não o ouvi responder a uma pergunta com argumentação. Até deixei de o escutar.(...)Nós não temos democracia em Portugal, isso é fantasia.O que é que nós temos?Um Estado corporativo como Salazar sonhou e nunca conseguiu. Realizámos o que desejava, que é o poder nas mãos de organizações profissionais.»(...)Vitorino Magalhães Godinho, historiador. Excertos de uma entrevista ao Diário de Notícias, hoje.É a entrevista mais lúcida e com a melhor análise à sociedade em que vivemos, que eu leio nos últimos tempos. Mostra como são os actuais políticos portugueses.E a mostrar toda a burrice do jornalista numa afirmação (só se era uma provocação irónica que eu não percebi) e numa interpretação geral da entrevista; a afirmação é a segunda frase a negrito. O jornalista escreve no texto de introdução da entrevista, que a visão do mundo espanta pela modernidade, além de o jornalista ficar espantado pelo uso de palavras como playstation no livro de ensaios agora editado.O jornalista deve ter pensado que o historiador, por ter 90 anos, era um velho atrasado ou anacrónico, que não liga ao que se passa na actualidade. Isto mostra o problema de não saber para que serve a História: serve para conhecer o passado, mas com o intuito de entender o presente, para que na actualidade não sejam cometidos erros semelhantes ou iguais aos do passado.P.S.: Fiz uma pequena correcção a esta mensagem, por um erro meu. É a primeira vez que o faço e espero que seja a última.
Etiquetas:

26
Fev 09
Pirateada por João Rodrigues, às 14:12Ligação da mensagem | Bombardear
O ministro das obras privadas diz que as concessionárias pagam os «banquetes e beberetes» dos anúncios da construção das autoestradas. Não deixa de ser um negócio interessante: é o governo que decide construir uma autoestrada e quer anunciar a coisa, mas são as empresas que ganham as concessões a pagar a publicidade. Pior para o governo: são convidados para fazerem de promotores comerciais - uma espécie de vendedores.

24
Fev 09
Pirateada por João Rodrigues, às 16:45Ligação da mensagem | Bombardear
Ao navegar por aí, cheguei ao blogue Risco Contínuo, onde se encontra esta mensagem. Tem uma história deliciosa acerca do que nos espera num futuro não muito longínquo.
Etiquetas:

Pirateada por João Rodrigues, às 16:21Ligação da mensagem | Bombardear
Em Braga, a PSP apreendeu livros que tinham na capa uma reprodução do quadro A Origem do Mundo de Gustave Courbet. Ao pôr esta fotografia, espero não ser apreendido pela PSP, que não tem nada mais importante para fazer. Já agora, para quem fez a queixa: a mulher da foto não é farfalhuda, o que deve ser considerado ainda mais pornográfico.
Etiquetas:

23
Fev 09
Pirateada por João Rodrigues, às 16:37Ligação da mensagem | Bombardear
Ouvi dizer que o coronel venezuelano vem a Portugal para o "congresso" do PS. Eu estou prontinho para seguir até Espinho e acompanhar esse momento histórico. Vou mascarado de Che Guevara. Porra, não posso. O carnaval termina na 4.ª feira.

Pirateada por João Rodrigues, às 16:16Ligação da mensagem | Bombardear
Um estudo científico (português) diz que os alimentos grelhados são cancerígenos. Por isso, empanturrem-se de peixe e carne grelhados porque irá acabar. Com estas investigações, estão a dar ideias aos burocratas de Bruxelas para inventarem mais uma lei a "proteger-nos" do que nós comemos. Só resta mesmo a azai ganhar poderes para fiscalizar o que morfamos em casa. Já não falta muito.

21
Fev 09
Pirateada por João Rodrigues, às 11:23Ligação da mensagem | Bombardear
«O provincianismo consiste em pertencer a uma civilização sem tomar parte no desenvolvimento superior dela - em segui-la pois mimeticamente, com uma subordinação inconsciente e feliz.O síndroma provinciano compreende, pelo menos, três sintomas flagrantes: o entusiasmo e admiração pelos grandes meios e pelas grandes cidades; o entusiasmo e admiração pelo progresso e pela modernidade; e na esfera mental superior, a incapacidade de ironia.O amor ao progresso e ao moderno é a outra forma do mesmo característico provinciano. Os civilizados criam o progresso, criam a moda, criam a modernidade; por isso lhes não atribuem importância de maior. Ninguém atribui importância ao que produz. Quem não produz é que admira a produção.O provinciano vive da inconsciência; de nos supormos civilizados quando não o somos, de nos supormos civilizados precisamente pelas qualidades por que não o somos.»Fernando Pessoa escreveu um texto chamado O Provincianismo Português em 1928. São partes desse texto que eu aqui reproduzo.Se pensam que esta definição de provincianismo assenta que nem uma luva ao nosso primeiro, então estão certos. Veja-se o caso do computador magalhães: mostra o amor ao progresso e ao moderno que Sócrates tem, mas sem o criar.Esta é a segunda mensagem intelectual. Depois da terceira vou ficar pior que o Pacheco Pereira e começarei a pôr Ovídio e Juvenal em latim e Safo em grego. Basicamente, ficarei passado dos carretos. Terei que ir uns tempos para o Júlio de Matos recuperar.
Etiquetas:

19
Fev 09
Pirateada por João Rodrigues, às 14:56Ligação da mensagem | Bombardear
Luís Amado não quis que a resolução do parlamento europeu sobre os voos da CIA, fizesse referência a declarações suas sobre o envolvimento do governo de Durão Barroso. O ministro dos passeios para o estrangeiro afirmou aquilo só porque lhe convinha naquela altura e convinha ao PS, como forma de eleitoralismo. Quando o PS ganhou as eleições, a ética na política deixou de existir. É tão bonita a coerência.
Etiquetas:

Quem é o cromo?
Fevereiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
20

22
25


A marear desde
3 de Julho de 2008
Sucata
2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Pesquisar
 
RSS
blogs SAPO